sábado, 28 de dezembro de 2013

Crítica de privada: Wolverine Imortal.

crítica wolverine imortal

Essa será a primeira crítica de privada, lembrando que não exatamente por ser uma crítica de privada que o filme é ruim, neste caso não procede. Também não se pode chamar isso de crítica, já que não analisarei nenhum filme aqui como um crítico e sim como alguém que gosta de cinema e tem deficiências sérias na escrita.

Enfim, vamos ao que interessa, Wolverine Imortal. 

E ao aviso, essa crítica tem spoilers, de resoluções a comentários de partes específicas do filme.

Wolverine Imortal é ruim e estranho. É um filme sobre um herói mutante que em muitos momentos pode ser confundido com um filme de romance raso. Não sou do tipo que entende que para a película ser boa é necessário cenas de ações mirabolantes, mas é desconexo tentar transformar um filme de um mutante carrancudo e anti-herói em um filme comum, apesar disso é na hora que ele tenta voltar ao filme de herói que fica uma merda completa.

Sobre o ator, gosto muito do Hugh Jackman, a versão simpática de Wolverine até convence, mas não consegue sustentar o filme. Os outros atores pouco fazem e podem ajudá-lo, o par romântico serve como rostinho feminino bonito em perigo e o romance inevitavelmente forçado. Alias, a tadinha tem uma família e tanto, no abobado roteiro ela é manipulada e todos querem matá-la. Aí que rola a tremenda merda, o filme não ajuda em nada, não desenvolve nada o personagem, só estraga personagens bons e as tentativas de aprofundamento são patéticas. 

Eu sinceramente, fiquei um tanto irritado em como se gasta dinheiro fazendo um filme desses, os momentos que se salvam não tem nada a ver com a proposta do personagem ou de um filme desse estilo, logo não entendo qual foi o objetivo aqui.

Da parte boa destaco apenas a fotografia, algumas cenas de ações e 3 cenas em particular. 
  
Sobre as cenas de ações, vou comentar da mais falada por aí, a do trem em movimento. Tá, é divertida, mas como todas cenas de ação do filme, não necessariamente precisava estar lá. Também é bizarro, não de uma maneira positiva, a força dos não mutantes que seguem o protagonista na cena, em cima de um trem bala conseguem usando faquinhas se equilibrar e lutar.

O primeiro momento realmente interessante acontece logo no início. A explosão da bomba atômica tem contexto histórico e poderia ser usada com profundidade no filme, mas só é motivo novamente para um momento plástico e o motivo do Logan voltar ao Japão. 

Mais para frente tem o Wolverine sendo atingido por ninjas munidos de arcos e flechas, pena que o arco, no caso da história, novamente não tem nada a ver, então a cena vira um momento plástico interessante, mas sem nenhuma importância e significado. 

A segunda vem apenas depois dos créditos. Em 1 minuto os pequeno vídeo dos créditos ensina Wolverine Imortal a como fazer um filme de mutantes. E assim fico esperando novamente um filme digno do personagem, pois "Wolverine A Origem" consegue ser ainda pior que este.




Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário